Agende sua consulta

Ovodoação

A ovodoação ou doação de óvulos é uma técnica de reprodução assistida regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) que possibilita a utilização de gametas doados por mulheres sem possibilidade de engravidar com óvulos próprios, seja por baixa reserva, seja por má qualidade oocitária. Também é permitida a doação a casais homoafetivos masculinos que desejam ter filhos, com algumas particularidades que podem ser vistas em casais homoafetivos e a reprodução assistida.

A doação não pode ter caráter lucrativo ou comercial e deve ser anônima.

É permitida a doação voluntária de gametas (conforme resolução n. 2168 do CFM), bem como a situação identificada como doação compartilhada de oócitos, em que doadora e receptora apresentam algum fator de infertilidade e compartilham tanto do material biológico quanto dos custos financeiros que envolvem o procedimento de reprodução assistida. A doadora tem preferência sobre o material biológico que será produzido.

Indicações da ovodoação

A doação de óvulos está indicada para:

  • Mulheres que não produzam óvulos por alguma razão, como idade avançada ou falência ovariana precoce;
  • Mulheres que tenham óvulos de baixa qualidade.

Perfil das doadoras

As doadoras devem cumprir alguns critérios para que a doação possa ser concretizada. Esses critérios têm o objetivo de garantir que a doação de fato viabilize a gravidez. Em nosso serviço a doadora precisa:

  • Ser voluntária;
  • Ter idade inferior a 35 anos;
  • Apresentar boa reserva ovariana;
  • Ser saudável e não ter doenças que afetem o desenvolvimento do embrião ou a qualidade oocitária (exemplos: DST, alterações genéticas ou doenças sexualmente transmissíveis);
  • Ter o tipo sanguíneo e o fator Rh compatíveis com os da receptora, assim como o fenótipo semelhante.

Pareamento

Uma vez que a doadora preencha todos os critérios acima, solicitamos que preencha um cadastro com suas características físicas e antecedentes pessoais e familiares.

Esse perfil é apresentado a possíveis receptoras, sem que a doadora seja identificada, e quando as características são compatíveis é feito o pareamento.

Na doadora é feita a indução da ovulação e na receptora, o preparo endometrial. Após a captação dos óvulos, esses são igualmente divididos entre as pacientes para que sejam fertilizados pelo sêmen do respectivo parceiro.

Após de 3 a 5 dias é realizada a transferência de embriões à receptora.

Nas doadoras, de modo geral, é realizada a criopreservação dos embriões, devido ao risco de hiperestímulo, para transferência no ciclo seguinte.

Compartilhar:
Última postagem do blog

Quando devo procurar um especialista em reprodução assistida?

Ficar grávida nem sempre é fácil. Um casal pode demorar meses para conseguir. Caso não tenha sucesso em até um ano de tentativas, é importante procurar um médico especialista em reprodução assistida para investigação e tratamento adequados. A infertilidade é […]

Leia mais
Agende sua
consulta

Verifique o horário disponível que melhor encaixa na sua agenda.