Agende sua consulta

Cor do sêmen, doenças e infertilidade: existe relação?

O organismo humano é formado por um complexo de sistemas e órgãos que atuam em conjunto para garantir o funcionamento adequado. Problemas ou deficiências, entretanto, geralmente são sinalizados por alterações, sugerindo a possibilidade de transtornos em determinada região, que podem afetar a saúde em geral.

O sêmen, por exemplo, pode dizer muito sobre o que está acontecendo no corpo: a consistência, aparência e odor são um bom indicador da saúde. Embora diferenças na cor nem sempre sejam motivo de preocupação, devem ser observadas, uma vez que também podem alertar para a presença de doenças ou de problemas na capacidade reprodutiva.

Continue a leitura até o final para saber qual a relação entre a cor do sêmen, doenças e infertilidade.

Entenda mais sobre o sêmen e saiba quais são as suas condições normais

Os espermatozoides são produzidos nos túbulos seminíferos, localizados nos testículos, as glândulas sexuais masculina, processo conhecido como espermatogênese. Depois de produzidos são armazenados nos epidídimos, ductos localizados na parte posterior de cada testículo, até que estejam totalmente maduros e tenham maior motilidade (capacidade de se movimentar).

Depois de maduros são transportados para o ducto deferente, que se une ao canal da glândula seminal e forma os ductos ejaculatórios. Durante o caminho recebem líquidos produzidos pelas glândulas seminais, bulbouretrais e pela próstata, formando o sêmen, substância na qual ficam para serem ejaculados.

Pode-se dizer, portanto, que o sêmen é o fluido reprodutor masculino. Porém, apenas 10% é composto de espermatozoides. O restante é formado por enzimas, vitamina C, cálcio, proteína, sódio, zinco e frutose, elementos que ajudam a revelar possíveis alterações no organismo.

O sêmen saudável é geralmente de consistência viscosa, esbranquiçado e opalino, às vezes amarelado. Espesso na ejaculação, dilui após estar fora do organismo e possui um odor semelhante a alvejante, devido ao seu conteúdo de substâncias alcalinas, que protegem os espermatozoides do ambiente ácido da vagina.

Quando o sêmen se mantém com essas características, é sinal de que a saúde masculina não está comprometida, incluindo a capacidade reprodutiva. No entanto, se ele adquirir outras colorações ou textura, esse pode ser um sinal de alerta, principalmente nos casos em que essas alterações são associadas a outros sintomas.

Quais alterações podem ocorrer e o que elas podem indicar?

Existem diferentes razões para as mudanças na cor do sêmen. As variações de cor e outros sintomas podem indicar a causa subjacente.

Embora as alterações na cor do sêmen nem sempre sejam motivo de alarme, os homens devem consultar um especialista se elas persistirem por mais de uma semana ou se apresentarem outros sintomas, como dor, inchaço, febre, calafrios e a presença de sangue na urina. Confira o que as variações na cor do sêmen podem indicar.

Sêmen com coloração vermelha ou rosa

Uma coloração vermelha ou rosa geralmente indica a presença de sangue no sêmen. O termo clínico é hematospermia e pode resultar de diferentes causas, mas nem todas representam risco:

  • Vaso sanguíneo rompido: quando um vaso sanguíneo se rompe, pequenas quantidades de sangue podem se misturar com o sêmen, causando mudanças na cor, que varia de tons mais avermelhados aos mais rosados, de acordo com a concentração. O rompimento ocorre como consequência de lesões na região. O sintoma tende a desaparecer sozinho em pouco tempo e não é necessário se preocupar se não houver nenhuma outra manifestação;
  • Infecção: alguns tipos de infecção também podem resultar na mistura de sangue com o sêmen. Nesse caso, é importante ficar atento a outros sintomas, como febre, náuseas, calafrios, nódulos ou inchaço na região;
  • Problemas na próstata e pressão alta: o problema ocorre, ainda, quando há infecções na próstata, ao mesmo tempo que pode ser provocado por cirurgia, biópsia ou câncer na região. Homens que sofrem com hipertensão podem, da mesma forma, apresentar essa alteração na cor.

Sêmen com coloração marrom ou preta

  • Traumas ou lesões de maior gravidade podem resultar em sangramento mais intenso que, consequentemente, nos casos em que mistura com o sêmen, o torna marrom ou preto;
  • Metais: níveis elevados de metais pesados ​​no corpo e no sangue podem levar ao escurecimento do sê Isso pode acontecer como consequência de exposição a alimentos contaminados, água ou outros fatores ambientais.

Sêmen com coloração amarelo-esverdeada

Os motivos pelos quais o sêmen pode adquirir a coloração amarelo-esverdeada incluem:

  • Infecção: essa coloração pode ser provocada por infecções no trato urinário ou por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como clamídia e gonorreia. Nesse caso, geralmente também apresenta um odor mais forte, além de sintomas como secreção peniana, dor ao urinar, presença de sangue na urina, febre ou calafrios;
  • Ejaculação infrequente: quando a ejaculação é pouco frequente outros compostos podem se misturar ao sêmen resultando na coloração amarelada;
  • Medicamentos e dieta alimentar: certos tipos de medicamentos e vitaminas, além de alimentos contendo corantes também podem resultar nessa coloração. Se esse for o único sintoma, entretanto, geralmente tende a desaparecer e não representa preocupação;
  • Urina: ocasionalmente a urina pode se misturar ao sêmen e provocar uma coloração amarelada, o que também não é motivo de preocupação: a cor geralmente se normaliza;
  • Icterícia: a icterícia é uma síndrome caracterizada pela coloração amarela dos tecidos e das secreções orgânicas, incluindo o sêmen, resultante da presença anormal de pigmentos biliares;
  • Contagem alta de glóbulos brancos: a quantidade elevada de glóbulos brancos no sêmen também pode alterar sua cor, tornando-o mais amarelo. Pode ser um efeito secundário de outra doença, como infecção urinária, infecção da próstata ou IST. Em alguns casos, pode ser um sinal de distúrbios autoimunes.

Quando as alterações na cor do sêmen podem indicar infertilidade?

Sêmen na coloração vermelha e rosa ou amarelo-esverdeada podem indicar infecções no aparelho reprodutor masculino, como orquite (dos testículos), epididimite (dos epidídimos) e prostatite (da próstata).

Na maioria das vezes esses processos infecciosos são provocados por infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como clamídia e gonorreia, que, nesse caso, resultam geralmente em uma coloração amarelo-esverdeada acompanhada por odor forte.

Processos infecciosos podem causar diferentes alterações na fertilidade masculina, levando a dificuldades ou incapacidade de ter filhos. O risco é ainda maior se as infecções não forem adequadamente tratadas e se tornarem crônicas ou recorrentes. Veja:

  • Desequilíbrio hormonal: podem causar desequilíbrio nos níveis dos hormônios sexuais masculinos, levando à diminuição ou interrupção da produção de espermatozoides, resultando em condições como oligozoospermia, baixa concentração de espermatozoides ou azoospermia, que é a ausência de espermatozoides no sêmen ejaculado;
  • Obstruções que inibem o transporte: podem provocar a formação de aderências, bloqueando o transporte dos espermatozoides até as tubas uterinas para que a fecundação ocorra;
  • Alterações na qualidade dos espermatozoides: podem alterar a estrutura dos espermatozoides (morfologia ou forma e motilidade ou movimento), assim como resultar em anormalidades cromossômicas. No primeiro caso, pode haver dificuldades para fecundar o óvulo, enquanto o segundo pode levar à formação de embriões de má qualidade e, consequentemente, a falhas na implantação e abortos de repetição.

Métodos diagnósticos e tratamento

O principal exame realizado para avaliar alterações na cor do sêmen é o espermograma, mas ele não é um exame diagnóstico.

Também chamado de análise seminal, o espermograma possibilita o estudo de características macroscópicas, como cor, volume, viscosidade, pH, capacidade de coagulação e presença elevada de glóbulos brancos, o que indica processos infecciosos, assim como de características microscópicas, determinando percentualmente as possíveis alterações na morfologia e motilidade dos espermatozoides, a concentração ou número nas amostras avaliadas e a presença de espermatozoides imaturos.

O espermograma é um exame que fornece informações importantes sobre o sêmen e os espermatozoides. É possível avaliar a fertilidade masculina, mas se houver alguma alteração outros exames precisam ser feitos.

Caso na avaliação detalhada da fertilidade seja diagnosticada a infertilidade, analisamos se há como revertê-la para que o homem tenha filhos naturalmente ou se é necessária alguma técnica de reprodução assistida. Em casos de infertilidade masculina, existem duas opções: a inseminação artificial (IA) – se a infertilidade for por fatores leves – e a fertilização in vitro (FIV), caso haja fatores mais graves de infertilidade.

Em ambas os espermatozoides são capacitados por técnicas de preparo seminal, possibilitando a seleção dos mais saudáveis para a fecundação.

Siga o link e leia nosso texto que aborda tudo sobre infertilidade masculina!

 

Compartilhar:
Síndrome de Down e idade da mulher: qual a relação?
Deixe o seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *