X

Comunicado • COVID-19

Sua segurança é fundamental

Acompanhando a evolução das medidas preventivas necessárias para combatermos o alastramento do COVID-19, também em linha com as recomendações das autoridades sanitárias, da ANS (Agência Nacional de Saúde), da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das sociedades médicas, em especial da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), e da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana), vislumbramos o seguinte cenário:

1) No momento não existem evidências dos riscos do COVID-19 para as grávidas e os fetos, seus embriões, para os óvulos ou espermatozoides; no entanto, ainda não temos comprovações da ausência de riscos;

2) Entendemos que, neste momento, nossa atitude e zelo pela saúde humana vai além dos tratamentos da medicina reprodutiva. Consideramos que atitudes drásticas, mesmo que afetem a individualidade, devem ser tomadas para o bem comum.

3) A possibilidade de reduzir a velocidade com que o vírus se alastra está em nossas mãos. Seguir exatamente o que é orientado pelas autoridades de saúde é nosso dever como cidadãos.

4) Além dos cuidados com a saúde e higiene, o distanciamento social hoje se faz necessário como uma medida importante de prevenção.

Com isso, entendendo a seriedade da situação em nossa sociedade e zelando sempre pelo bem-estar e saúde de nossos colaboradores e pacientes e da sociedade como um todo, cancelaremos todos os tratamentos de reprodução assistida que se iniciariam nos próximos dias.

Conforme orientação das Sociedades Médicas, aos tratamentos de reprodução assistida já em andamento daremos continuidade, postergando apenas o momento da transferência por meio do congelamento de óvulos e embriões.

Nos casos de pacientes que precisarem de acompanhamento médico, mas que não estiverem em tratamento de reprodução assistida, faremos o acompanhamento e daremos todo o suporte necessário por meios digitais disponibilizados por nós e nos prepararemos JUNTOS para, assim que possível, reiniciarmos com força total!!!

Para aquelas que desejam iniciar o tratamento, recomendamos que aguardem o período de distanciamento social.

Pelo bem maior, sejamos todos responsáveis!

Agende sua consulta

Inseminação intrauterina: qual a taxa de sucesso da técnica?

Inseminação intrauterina: qual a taxa de sucesso da técnica?

Também conhecida como inseminação artificial (IA), a inseminação intrauterina (IIU) é uma das técnicas de reprodução assistida mais conhecidas no mundo. Porém, como qualquer outra técnica, ela não é indicada para qualquer caso de infertilidade.

É preciso buscar um médico e realizar exames para descobrir se essa é a opção mais indicada e com maiores chances de sucesso para o caso. Além disso, as taxas de sucesso podem variar de acordo com diversos fatores, como, por exemplo, a idade da mulher.

A IIU é uma técnica de reprodução assistida de baixa complexidade, na qual os espermatozoides preparados em laboratório são depositados diretamente dentro do útero, como se fosse num exame ginecológico ou numa coleta de papanicolau. Por ser de baixa complexidade, é possível realizá-la no próprio consultório. Dependendo do caso, a IIU pode ser realizada com sêmen doado.

Preparei esse texto para mostrar quais são as chances de sucesso da IIU, assim como quando geralmente a indico para minhas pacientes e o que pode interferir em seus resultados.

Para que você saiba se a IIU é um possível procedimento para o seu caso, continue a leitura do texto.

Quando a inseminação intrauterina é indicada?

A IIU é uma técnica muito conhecida. É comum ouvirmos pessoas chamando qualquer técnica de reprodução assistida de “inseminação artificial”. Porém, a IIU é indicada para situações específicas e nem todos os casais inférteis podem ou precisam realizar esse procedimento.

  • Quando a infertilidade do casal se dá por fator masculino leve, a IIU pode ser indicada em determinadas condições;
  • Quando o homem apresenta alguma alteração em seu espermograma, de acordo com os padrões definidos pela OMS, mas ainda apresenta uma qualidade mínima, é possível realizar o procedimento;
  • A IIU também é indicada quando há a necessidade de utilizar sêmen de doação, em casos de azoospermia, por exemplo.

Já nos casos de infertilidade por fator feminino, é ainda mais difícil que a IIU seja indicada, porém isso pode acontecer nas seguintes condições:

Além disso, é necessário que a mulher tenha menos de 35 anos e que suas tubas uterinas estejam pérvias.

Em algumas situações, a relação sexual programada (RSP) pode ser indicada, que é o procedimento de mais baixa complexidade que aumenta as chances de gravidez. Caso não obtenha sucesso, a IIU pode ser indicada se o casal estiver dentro dos outros critérios.

O que pode interferir nos resultados da IIU?

Diversos fatores podem interferir nos resultados da IIU, fazendo com que as chances de sucesso sejam maiores ou menores. A qualidade do sêmen é um dos fatores mais relevantes para que o procedimento seja bem-sucedido. Mesmo não estando dentro dos padrões definidos pela OMS, é preciso que eles atendam a requisitos mínimos. Quanto maior for a qualidade do sêmen em relação a estes requisitos, maiores são as chances de se alcançar uma gravidez.

O sêmen deve atender às seguintes características: cada ml deve ter pelo menos 5 milhões de espermatozoides móveis, a motilidade deve ser superior a 40% e a morfologia superior a 4%, de acordo com os critérios de Kruger. Caso o homem não esteja dentro desse padrão mínimo, as chances de sucesso da IIU são muito pequenas e, por isso, o procedimento não é indicado, sendo a FIV uma possibilidade.

No caso da mulher, algumas particularidades também podem interferir no resultado. A idade é muito importante para qualquer procedimento de reprodução assistida. A IIU é recomendada para mulheres com menos de 35 anos — quanto mais jovem, maiores as chances.

Sabemos ainda que, quando induzimos a ovulação, também temos maiores chances de sucesso.

Qual a taxa de sucesso da IIU?

A taxa de sucesso da IIU pode chegar a 20% em cada ciclo de tratamento. Porém, as causas da infertilidade também podem influenciar no sucesso da técnica. Um estudo concluiu que casais que apresentam mais de uma causa de infertilidade têm cerca de 10% de chances de alcançar uma gravidez por meio da inseminação artificial. Nos casos de ISCA, a taxa de sucesso pode chegar a 19,9%. O estudo ainda mostra que idade, número de folículos e até mesmo o período de duração da infertilidade podem influenciar no resultado.

Mas é preciso lembrar que algumas causas da infertilidade fazem com que o casal não esteja apto a realizar a IIU e tenha que se submeter a um procedimento diferente, que será indicado após a realização de exames e um diagnóstico do caso.

Ainda tem dúvidas ou gostaria de compartilhar uma informação sobre a IIU? Aproveite o espaço nos comentários e deixe sua mensagem.

Compartilhar:
O que é adenomiose e como pode afetar a fertilidade?
Deixe o seu comentário: