Agende sua consulta

Como os hábitos de vida afetam a gravidez?

A relação entre gravidez saudável e hábitos de vida é um assunto debatido há tempos, tanto que já na consulta inicial, o médico passa uma série de orientações à gestante — ou tentante.

Alguns hábitos que podem prejudicar a fertilidade, assim como o desenvolvimento fetal, fazem parte do estilo de vida contemporâneo de homens e mulheres — exemplos: sedentarismo, ritmo estressante na rotina, consumo frequente de bebida alcoólica, tabagismo etc.

Em síntese, os hábitos de vida afetam diretamente as tentativas de gravidez, assim como a evolução da gestação. É sobre isso que vamos falar neste post. Continue a leitura para saber mais!

Quais hábitos de vida são prejudiciais à fertilidade da mulher e por quê?

Boa parte das tentantes já tem um conhecimento prévio de que certos hábitos de vida, como tabagismo e alcoolismo, podem fazer mal para o feto. Mas é preciso saber que, mesmo antes da gravidez, essas e outras práticas são prejudiciais, uma vez que podem interferir na fertilidade. Vamos explorar esse assunto um pouco mais.

Alimentação inadequada

Uma dieta balanceada, rica em vitaminas e nutrientes de todos os grupos, é essencial para a saúde da futura gestante e de seu bebê. A carência nutricional, além de provocar anemia, pode prejudicar a formação do embrião desde os primeiros estágios de desenvolvimento, abrangendo a fase em que a gravidez ainda não foi detectada.

Por prevenção e reforço vitamínico, os médicos recomendam o uso de suplementos, como ferro e ácido fólico, desde o período de tentativas. Vale lembrar que alimentação deficiente não está associada à quantidade de alimentos ingeridos, e sim à falta de variedade nutricional.

Uma das consequências da má alimentação são os extremos de peso. Mulheres com obesidade ou com peso muito abaixo da média podem enfrentar desequilíbrios hormonais, o que pode levar a irregularidades menstruais, anovulação (ausência de ovulação) e infertilidade.

As grávidas podem ter maiores chances de apresentar diabetes gestacional e pressão alta durante a gravidez se estiverem com sobrepeso ou ganharem peso excessivo durante a gravidez. Mulheres extremamente magras terão dificuldades com a ovulação e produção hormonal quando tentantes e, se estiverem grávidas, terão maiores chances de o bebê ter baixo peso.

Falta ou excesso de exercícios físicos

Muito se fala sobre os perigos do sedentarismo. Mas assim como a falta de exercícios físicos oferece riscos à fertilidade e à saúde em geral — devido à sua associação com o aumento de peso e com o surgimento de certas condições crônicas — a prática excessiva de atividades também é arriscada.

Mulheres que se exercitam de forma extenuante podem apresentar alterações nas funções do sistema reprodutor. O excesso de demanda energética pode interferir nas ações do hipotálamo e provocar distúrbios menstruais e ovulatórios.

Então, o mais recomendado para quem deseja iniciar uma gravidez é encontrar um meio termo na prática de exercícios físicos, visto que as atividades moderadas são benéficas à saúde e à manutenção da fertilidade.

Tabagismo e consumo excessivo de álcool

Mulheres fumantes correm um grande risco de apresentar infertilidade. Isso ocorre porque as substâncias contidas no cigarro podem reduzir a quantidade de óvulos ou afetar a qualidade dessas células. Além disso, também há a possibilidade aumentada de desenvolver gravidez ectópica (nas trompas) ou ocasionar abortamentos.

Não existem ainda estudos conclusivos em relação à quantidade de álcool que pode ser nociva à fertilidade e à gravidez. Contudo, a recomendação geral é que a tentante evite o consumo de bebidas alcoólicas no período pré-concepcional e durante a gestação. Essa é uma medida preventiva para poupar o embrião de possíveis danos ou falhas no desenvolvimento.

Como os hábitos de vida afetam a gravidez e o desenvolvimento do bebê?

A mudança nos hábitos de vida deve começar antes mesmo da gravidez, visto que certas práticas prejudicam a fertilidade. É necessário que os cuidados continuem por toda a gestação, para favorecer o desenvolvimento adequado do feto e preservar a saúde da gestante.

Voltando aos pontos que levantamos no tópico anterior, reforçamos que a alimentação balanceada é imprescindível para a saúde da gestante e do bebê. Além disso, o excesso de peso ou a magreza extrema também são fatores relacionados a complicações gestacionais.

Gestantes obesas apresentam maior propensão para desenvolver diabetes gestacional, hipertensão, necessidade de parto cesárea, entre outras condições. Já as pacientes com baixo peso têm grande suscetibilidade à anemia e podem não passar a quantidade adequada de nutrientes para o feto, causando restrição no crescimento do bebê, além dos riscos de abortamento e parto prematuro.

Exercícios físicos moderados são muito bem-vindos durante a gravidez, pois melhoram a capacidade cardiorrespiratória da gestante, fortalecem o tônus muscular e o controle da pelve para o parto e previnem o ganho de peso em excesso. Contudo, a mulher não deve praticar atividades de alto impacto e com risco de quedas e traumas.

Por fim, o uso de substâncias químicas como álcool, cigarro e outras drogas deve ser totalmente evitado durante a gravidez. O álcool atravessa a placenta e pode reduzir a absorção de nutrientes pelo feto. Já o tabaco pode desencadear problemas pulmonares no bebê, além de restrição de crescimento fetal, chance aumentada de prematuridade, descolamento de placenta e até óbito do feto.

Quais cuidados a mulher deve ter antes e durante a gravidez?

Depois dos pontos que abordamos, vamos a um resumo dos cuidados que a mulher precisa ter para melhorar os hábitos de vida e conseguir uma gravidez saudável:

  • manter uma dieta equilibrada, rica em alimentos de todos os complexos vitamínicos, principalmente frutas e vegetais, carnes magras, ovos, peixes e cereais integrais;
  • praticar atividades físicas de baixo impacto e com intensidade moderada;
  • evitar álcool, tabaco e outras substâncias químicas;
  • tomar suplementos vitamínicos, conforme orientação médica;
  • controlar o ganho de peso;
  • evitar estímulos estressores no dia a dia — inclusive, encontrar alternativas para o controle da ansiedade.

A gravidez é um processo complexo e que depende de vários fatores, biológicos e ambientais, para que o feto se desenvolva como o esperado. Mas, com acompanhamento especializado e mudanças nos hábitos de vida, a mulher pode realizar o sonho de ver seu filho nascer com saúde.

Gostou de saber um pouco mais sobre a relação entre gravidez e hábitos de vida? Leia também nosso texto sobre infertilidade feminina e descubra quais fatores podem impedir uma gestação.

Compartilhar:
Endometrite e reprodução assistida
Deixe o seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *