X

Comunicado • COVID-19

Sua segurança é fundamental

Acompanhando a evolução das medidas preventivas necessárias para combatermos o alastramento do COVID-19, também em linha com as recomendações das autoridades sanitárias, da ANS (Agência Nacional de Saúde), da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das sociedades médicas, em especial da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), e da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana), vislumbramos o seguinte cenário:

1) No momento não existem evidências dos riscos do COVID-19 para as grávidas e os fetos, seus embriões, para os óvulos ou espermatozoides; no entanto, ainda não temos comprovações da ausência de riscos;

2) Entendemos que, neste momento, nossa atitude e zelo pela saúde humana vai além dos tratamentos da medicina reprodutiva. Consideramos que atitudes drásticas, mesmo que afetem a individualidade, devem ser tomadas para o bem comum.

3) A possibilidade de reduzir a velocidade com que o vírus se alastra está em nossas mãos. Seguir exatamente o que é orientado pelas autoridades de saúde é nosso dever como cidadãos.

4) Além dos cuidados com a saúde e higiene, o distanciamento social hoje se faz necessário como uma medida importante de prevenção.

Com isso, entendendo a seriedade da situação em nossa sociedade e zelando sempre pelo bem-estar e saúde de nossos colaboradores e pacientes e da sociedade como um todo, cancelaremos todos os tratamentos de reprodução assistida que se iniciariam nos próximos dias.

Conforme orientação das Sociedades Médicas, aos tratamentos de reprodução assistida já em andamento daremos continuidade, postergando apenas o momento da transferência por meio do congelamento de óvulos e embriões.

Nos casos de pacientes que precisarem de acompanhamento médico, mas que não estiverem em tratamento de reprodução assistida, faremos o acompanhamento e daremos todo o suporte necessário por meios digitais disponibilizados por nós e nos prepararemos JUNTOS para, assim que possível, reiniciarmos com força total!!!

Para aquelas que desejam iniciar o tratamento, recomendamos que aguardem o período de distanciamento social.

Pelo bem maior, sejamos todos responsáveis!

Agende sua consulta

ICSI

A Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI) é uma técnica de reprodução assistida que foi desenvolvida para aumentar a eficácia da reprodução assistida em casos de fatores masculinos graves. Na FIV tradicional, os espermatozoides são colocados na placa de cultura em que estão os óvulos para que aconteça a fecundação de uma maneira mais natural. Já na ICSI, os espermatozoides selecionados pelo embriologista são injetados dentro do óvulo com o auxílio de um equipamento chamado micromanipulador de gametas. Todas as outras etapas da FIV são seguidas normalmente.

A ICSI representa uma evolução da FIV tradicional para os fatores masculinos mais graves,  embora ambos sejam realizados, dependendo de cada caso, ou seja, com indicações precisas.

Indicações da ICSI

A ICSI é indicada principalmente para homens que tenham:

  • Oligozoospermia severa (concentração muito baixa de espermatozoides no ejaculado);
  • Azoospermia;
  • Teratozoospermia (alteração da morfologia dos espermatozoides);
  • Espermatozoides provenientes de coletas alternativas (exemplo: PESA, TESA etc.).

Ou para casais:

  • Com falhas de tratamento anterior, com técnica de FIV convencional.

Trata-se, portanto, de um método voltado mais para superar as dificuldades do homem no momento da concepção.

O procedimento

Por se tratar de uma etapa da FIV, todos os outros passos da ICSI são iguais aos da FIV tradicional: estimulação ovariana, aspiração folicular, fecundação dos óvulos (por ICSI), cultivo de embriões em laboratório, transferência embrionária e congelamento dos embriões. Para ver em detalhes todo o processo, consulte FIV.

Diferenças entre a FIV tradicional e a ICSI

As etapas de estimulação ovariana, punção em laboratório, cultivo de embriões em laboratório, transferência embrionária e congelamento dos embriões seguem exatamente como acontece na FIV. A diferença se encontra na etapa de fecundação dos óvulos.

Enquanto na FIV tradicional os espermatozoides são posicionados na placa de cultivo em volta do óvulo para que o fecundem, na ICSI os espermatozoides são selecionados e injetados diretamente nos óvulos com o auxílio do micromanipulador de gametas, facilitando de forma expressiva a fecundação.

No dia seguinte, já é possível confirmar a fertilização. As etapas seguintes também são equivalentes à FIV tradicional.

Compartilhar:
Última postagem do blog

O que é adenomiose e como pode afetar a fertilidade?

Adenomiose é uma doença que atinge mulheres e que se caracteriza pela presença de fragmentos (glândulas e estroma) do endométrio (camada interna do útero) no miométrio, que é a camada muscular intermediária do útero. Esse tecido endometrial no miométrio, durante […]

Leia mais
Agende sua
consulta

Verifique o horário disponível que melhor encaixa na sua agenda.