X

Comunicado • COVID-19

Sua segurança é fundamental

Acompanhando a evolução das medidas preventivas necessárias para combatermos o alastramento do COVID-19, também em linha com as recomendações das autoridades sanitárias, da ANS (Agência Nacional de Saúde), da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das sociedades médicas, em especial da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), e da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana), vislumbramos o seguinte cenário:

1) No momento não existem evidências dos riscos do COVID-19 para as grávidas e os fetos, seus embriões, para os óvulos ou espermatozoides; no entanto, ainda não temos comprovações da ausência de riscos;

2) Entendemos que, neste momento, nossa atitude e zelo pela saúde humana vai além dos tratamentos da medicina reprodutiva. Consideramos que atitudes drásticas, mesmo que afetem a individualidade, devem ser tomadas para o bem comum.

3) A possibilidade de reduzir a velocidade com que o vírus se alastra está em nossas mãos. Seguir exatamente o que é orientado pelas autoridades de saúde é nosso dever como cidadãos.

4) Além dos cuidados com a saúde e higiene, o distanciamento social hoje se faz necessário como uma medida importante de prevenção.

Com isso, entendendo a seriedade da situação em nossa sociedade e zelando sempre pelo bem-estar e saúde de nossos colaboradores e pacientes e da sociedade como um todo, cancelaremos todos os tratamentos de reprodução assistida que se iniciariam nos próximos dias.

Conforme orientação das Sociedades Médicas, aos tratamentos de reprodução assistida já em andamento daremos continuidade, postergando apenas o momento da transferência por meio do congelamento de óvulos e embriões.

Nos casos de pacientes que precisarem de acompanhamento médico, mas que não estiverem em tratamento de reprodução assistida, faremos o acompanhamento e daremos todo o suporte necessário por meios digitais disponibilizados por nós e nos prepararemos JUNTOS para, assim que possível, reiniciarmos com força total!!!

Para aquelas que desejam iniciar o tratamento, recomendamos que aguardem o período de distanciamento social.

Pelo bem maior, sejamos todos responsáveis!

Agende sua consulta

Azoospermia

Atualmente, sabe-se que parte dos casos de infertilidade é decorrente de fatores masculinos, dos quais um dos mais preocupantes é a azoospermia, definida como ausência de espermatozoides no ejaculado. Afeta cerca de 2% dos homens em geral e aproximadamente 15% dos homens inférteis. Pode ser do tipo obstrutiva ou não obstrutiva.

Azoospermia obstrutiva

Na azoospermia obstrutiva ocorre produção normal de espermatozoides pelos testículos. Ela é causada por obstrução, em algum ponto, no sistema canalicular extraductal (epidídimos, canais deferentes ou ductos ejaculadores). As principais causas são vasectomia, infecções genitais e causas genéticas.

O diagnóstico é feito pela história clínica, exame físico, análise seminal e dosagens hormonais. A ultrassonografia (transretal e escrotal), biópsia testicular e análise genética são reservadas para casos especiais em que é preciso fazer o diagnóstico diferencial com azoospermia não obstrutiva.

De forma geral, as obstruções do trato genital masculino são tratáveis. A causa mais comum é a vasectomia, que em alguns casos pode ser revertida por microcirurgia.

Quando a cirurgia não oferece benefício, é possível realizar o tratamento com técnicas de reprodução assistida, com obtenção de espermatozoides por aspiração percutânea do epidídimo (PESA). Em casos mais reservados ainda, pode-se realizar a aspiração microcirúrgica de espermatozoides do epidídimo (MESA) e aspiração percutânea de espermatozoides do testículo (TESA).

É importante que o paciente seja avaliado por urologista especialista em reprodução assistida para realização do diagnóstico e indicação da melhor opção de tratamento.

Azoospermia não obstrutiva

A azoospermia não obstrutiva é caracterizada pela deficiência na produção de espermatozoides pelos testículos. As principais causas são: genéticas (por exemplo a Síndrome de Klinefelter – 47 XXY), trauma testicular, uso de substâncias (por exemplo tabaco, álcool, drogas e anabolizantes), varicocele e criptorquidia (quando um ou os dois testículos não descem para a bolsa testicular, afecção que, se não corrigida antes de 2 anos de idade, pode levar à azoospermia).

O diagnóstico também é feito pela história clínica, exame físico, análise seminal e dosagens hormonais. Quando necessário, ainda pode-se lançar mão da ultrassonografia (transretal e escrotal) e biópsia testicular.

No caso da azoospermia não obstrutiva, é importante também a realização do cariótipo com pesquisas de banda G e a pesquisa de microdeleção do cromossomo Y.

Tratamento

Azoospermia obstrutiva

De forma geral, as obstruções do trato genital masculino são tratáveis. A causa mais comum é a vasectomia, que em alguns casos pode ser revertida por microcirurgia (reversão de vasectomia).

Quando a cirurgia não oferece benefício, é possível realizar o tratamento com técnicas de reprodução assistida, com obtenção de espermatozoides por aspiração percutânea do epidídimo (PESA). Em casos mais reservados, pode-se realizar a aspiração microcirúrgica de espermatozoides do epidídimo (MESA) e a aspiração percutânea de espermatozoides do testículo (TESA).

Azoospermia não obstrutiva

O tratamento da azoospermia não obstrutiva pode ser feito pela recuperação de espermatozoides diretamente dos testículos por meio da extração espermática testicular, TESE ou Micro-TESE, sendo que nessa última o procedimento é realizado em centro cirúrgico com auxílio de microscópio.

Nos casos em que não é encontrado espermatozoide diretamente nos testículos, o tratamento indicado é o uso de sêmen de doador. Nos pacientes com varicocele, é possível ainda a realização de cirurgia (varicocelectomia).

É importante ressaltar que o paciente deve ser avaliado por urologista especialista em reprodução assistida para realização do diagnóstico e indicação da melhor opção de tratamento.

Saiba mais sobre os tratamentos descritos nesse artigo acessando Reversão de vasectomia, PESA e MESA, TESE e Micro-TESE, Varicocele e Doação de sêmen.

Compartilhar:
Última postagem do blog

O que é adenomiose e como pode afetar a fertilidade?

Adenomiose é uma doença que atinge mulheres e que se caracteriza pela presença de fragmentos (glândulas e estroma) do endométrio (camada interna do útero) no miométrio, que é a camada muscular intermediária do útero. Esse tecido endometrial no miométrio, durante […]

Leia mais
Agende sua
consulta

Verifique o horário disponível que melhor encaixa na sua agenda.