Agende sua consulta

Uretrite: como são feitos o diagnóstico e o tratamento

Mesmo sendo a saída do sistema urinário em homens e mulheres, a uretra é uma região estéril e precisa estar completamente livre de bactérias para estar saudável. Os cuidados com a higiene dos genitais e sempre esvaziar por completo a bexiga ao urinar são duas formas simples e cotidianas de manter a saúde dessa região e evitar infecções como a uretrite.

São chamadas ITUs todas as infecções do trato urinário, muitas vezes chamadas genericamente de infecções urinárias.

As mulheres têm mais chance de contrair ITUs do que os homens. Acredita-se que, entre os adultos de 20 a 50 anos, as mulheres têm 50 vezes mais chances de receber um diagnóstico de infecção do trato urinário que os homens, se manifestando normalmente como cistites (infecção da bexiga).

Já a uretrite, especificamente, é uma ITU que acomete mais os homens e muitas vezes resulta da contaminação por DSTs, como a gonorreia. As uretrites são classificadas em gonocócicas e não gonocócicas.

O diagnóstico da uretrite é clínico com confirmação laboratorial e o tratamento é simples, mas deve ser feito rapidamente, já que a infecção pode se alastrar e causar outras infecções, como orquites e epididimites no homem, além de sepse e a infertilidade, que também pode ser uma consequência das uretrites.

Quer saber mais sobre o diagnóstico e o tratamento da uretrite? Continue a leitura do texto!

O que é uretrite?

A uretrite é uma inflamação ou infecção da uretra, caracterizada por sintomas como dor local, ardência ao urinar e o surgimento de secreção. O processo inflamatório pode estar ligado a causas bacterianas (como a gonorreia, a clamídia e infecções por E. coli), por trauma cirúrgico ou pela irritação causada por alguns espermicidas.

Muito menos frequentes que os casos descritos, é possível mencionar também a uretrite por uso de sondas, por infecção causada por vírus.

Sintomas da uretrite

Os sintomas principais da uretrite incluem dor para urinar, aumento da frequência urinária, secreção purulenta expelida pela uretra e muitas vezes tem odor desagradável e dor durante a ejaculação ou as relações sexuais. Quando a infecção não é tratada adequadamente, os sintomas podem se agravar e se espalhar pelo sistema urinário como um todo, apresentando, além dos descritos, também sintomas como inchaço, febre e mal-estar.

Em muitos casos, uretrites tratadas de forma inadequada costumam desencadear processos infecciosos no sistema reprodutivo de mulheres e homens, causando orquite, epididimite e prostatite, bem como infecções no trato vaginal e colo do útero.

Em alguns casos, malformações anatômicas da uretra, como estreitamentos, colaboram para pioras nos quadros infecciosos ou até mesmo são um fator de risco para a recorrência dessas infecções.

A infertilidade, tanto masculina quanto feminina, é outra consequência possível das uretrites.

A principal medida de prevenção das uretrites é o uso de preservativo nas relações sexuais e a adequada higiene dos genitais.

Diagnóstico e tratamento

A investigação e o diagnóstico das uretrites começam no exame clínico, que constata a presença de pus ou de secreção na saída da uretra, seguido de exame laboratorial e de urina, para a confirmação do diagnóstico e identificação da bactéria que causou a infecção.

O diagnóstico laboratorial é fundamental para delinear o tratamento, já que a identificação do agente patológico é o que permite a escolha do antibiótico mais eficiente.

O exame clínico não exige nenhuma preparação e pode ser coletado já na primeira consulta. A raspagem uretral é feita com uma espécie de escova que, ao entrar em contato com a secreção produzida na uretra, fica impregnada com as bactérias da infecção ali presente. Esse material é enviado vedado para o laboratório, que faz a cultura e a análise clínica que determina o diagnóstico.

A urocultura também pode ser solicitada, já que é capaz de identificar a presença de bactérias em qualquer lugar do trato urinário. Trata-se de um exame laboratorial em que uma porção da urina é coletada e exposta a um ambiente em que a cultura de bactérias é favorecida.

Esse exame permite também o isolamento das eventuais bactérias presentes no trato urinário e sua identificação, sendo importante no direcionamento do tratamento.

A maior parte dos casos de uretrite, tanto em mulheres como em homens, pode ser tratado com antibióticos administrados por via oral.

Àqueles que são sexualmente ativos recomenda-se que o parceiro também seja examinado, e algumas vezes medicado de forma preventiva, já que a transmissão por contato sexual tem uma alta taxa de reincidência.

Infertilidade e reprodução assistida

Uma das possíveis consequências da uretrite é um quadro de infertilidade transitória, especialmente em homens, e, se não tratada adequadamente e a tempo, suas complicações podem fazer da infertilidade uma condição mais severa e até mesmo permanente.

O ambiente criado pela infecção ao longo da uretra masculina se torna hostil para a passagem dos espermatozoides, que podem ser danificados durante a ejaculação ou ter sua passagem obstruída, caso a uretra esteja inchada.

Quando não tratadas, as uretrites podem se espalhar pelo trato urinário e pelo sistema reprodutor, por sua proximidade anatômica, tanto em homens quanto em mulheres.

A reprodução assistida é recomendada para os casos em que o tratamento para a uretrite não foi feito a tempo de evitar um quadro mais severo de infertilidade.

Como normalmente a infertilidade permanente causada por infecções bacterianas leva à obstrução dos canais que transportam os gametas – as tubas uterinas nas mulheres e, nos homens, o epidídimo e o canal deferente –, técnicas de reprodução assistidas como a FIV (fertilização in vitro) são importantes, pois permitem a coleta de ambos os gametas diretamente dos ovários ou testículos.

Após a coleta, a fertilização é feita em laboratório e a transferência embrionária acontece por volta de 5 dias após a fecundação.

Leia mais sobre infecções do trato genital masculino tocando aqui e entenda melhor como elas podem afetar a fertilidade do homem tocando aqui.

Compartilhar:
Os 6 Ds da endometriose
Deixe o seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *