Agende sua consulta

Quais são os sintomas da SOP?

Os ovários são órgãos do sistema reprodutor feminino e que têm importante papel na fertilidade. Quando seu funcionamento é prejudicado por doenças ou distúrbios hormonais, como a síndrome dos ovários policísticos (SOP), as consequências podem ter impacto direto na capacidade reprodutiva.

O aparecimento de cistos ovarianos, que são bolsas cheias de líquido que se formam sobre ou dentro dos ovários, pode afetar seu funcionamento.

Esses órgãos são responsáveis pela produção dos folículos dentro dos quais estão contidos o gameta feminino (óvulo). Durante cada ciclo menstrual, os ovários amadurecem o folículo dominante contendo o óvulo, o qual é liberado para que possa ser fecundado nas tubas uterinas. A fecundação pode ocorrer nesse período, conhecido por ovulação.

Além disso, os ovários também são responsáveis pela produção dos hormônios que controlam o correto funcionamento do sistema reprodutor feminino. Localizados dentro da cavidade abdominal, eles são parcialmente envolvidos por uma membrana chamada peritônio.

A SOP afeta cerca de 6% a 10% das mulheres em idade reprodutiva.

Neste texto, é abordado esse distúrbio: o que é, quais são seus sintomas e como é realizado seu diagnóstico a fim de proceder para o tratamento adequado.

O que é a SOP?

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é um distúrbio endócrino-ginecológico que ocorre em mulheres em idade reprodutiva. Esse distúrbio se caracteriza por um aumento no tamanho dos ovários causado pelo aparecimento de bolsas que recebem o nome de cistos.

Esses cistos causam alterações clínicas e metabólicas que são associadas ao hiperandrogenismo, ou seja, ao aumento dos índices de androgênios no organismo feminino, e à resistência à insulina.

Os androgênios, dos quais a testosterona é exemplo, são responsáveis pelo surgimento de traços masculinos no corpo da mulher, como o crescimento excessivo de pelos. Por isso, a SOP pode provocar alterações intensas na autoestima da mulher.

Quais são os sintomas dessa doença?

Por ser uma doença que causa alterações hormonais no organismo feminino, a SOP tem como um de seus sintomas o surgimento de traços masculinos. Outro sintoma que pode auxiliar na identificação dessa doença é a ausência de menstruação, ausência de ovulação, conhecida como anovulação, ou frequência anormal da menstruação.

Isso ocorre porque o ciclo menstrual é regulado pelos hormônios femininos. Quando há uma alteração na produção e funcionamento desses hormônios, a menstruação pode ser afetada.

O aumento do volume dos ovários, caracterizado pela presença dos cistos, também pode ser um indicativo da presença da SOP. A alteração hormonal também pode levar ao ganho de peso. A obesidade está presente em 30% a 70% das pacientes diagnosticadas com SOP.

Pacientes com SOP também podem apresentar queda de cabelo e aparecimento de acne, além de terem maior risco de eventos cardiovasculares e metabólicos.

Critérios diagnósticos

O diagnóstico da SOP deve levar em consideração a investigação de fatores clínico-laboratoriais diversos. O critério mais utilizado atualmente, o Consenso de Rotterdam, diz que o diagnóstico da SOP tem como condição a presença de pelo menos 2 dos 3 critérios considerados principais, sendo eles:

  • Hiperandrogenismo clínico e/ou laboratorial;
  • Anovulação crônica;
  • Identificação dos ovários policísticos por meio de ultrassonografia.

Dessa forma, o tratamento da SOP depende do diagnóstico, levando também em consideração as condições do sistema reprodutor da paciente e seu desejo de engravidar.

A SOP e a infertilidade

Um dos sintomas da SOP pode ser a ausência de ovulação, que pode ocorrer devido à dificuldade que os ovários apresentam em amadurecer o óvulo ou liberá-lo para ser fecundado. Essa ausência de ovulação ou anovulação pode ser crônica, levando à infertilidade.

Em casos de anovulação crônica nos quais a mulher manifeste o desejo de engravidar, pode ser indicada técnicas de reprodução assistida, como a relação sexual programada (RSP) e a FIV (fertilização in vitro), dependendo do caso.

Ambas as técnicas são efetivas porque a etapa inicial de cada uma delas consiste na estimulação ovariana, na qual são administrados hormônios para o amadurecimento de um número maior de folículos, o que também aumenta a disponibilidade de óvulos para fecundação, seja ela natural, seja por FIV.

Para que a relação sexual programada seja realizada, no entanto, as tubas uterinas devem estar saudáveis. De outro modo, os espermatozoides não alcançam os óvulos e a fecundação não ocorre.

Em casos nos quais as tubas uterinas não estão saudáveis, indica-se a FIV, visto que a fecundação nessa técnica de reprodução assistida ocorre em laboratório, fora do corpo da mulher.

A escolha da técnica de reprodução assistida a ser realizada depende do diagnóstico da SOP, levando em consideração as condições do sistema reprodutor da mulher.

A SOP é um distúrbio hormonal que ocorre em mulheres em idade reprodutiva. Seus sintomas podem variar, sendo importantes para a realização de seu diagnóstico.

Saiba mais sobre essa síndrome lendo outro texto sobre o assunto.

Compartilhar:
O que são PESA e MESA em FIV?
Deixe o seu comentário: