X

Comunicado • COVID-19

Sua segurança é fundamental

Acompanhando a evolução das medidas preventivas necessárias para combatermos o alastramento do COVID-19, também em linha com as recomendações das autoridades sanitárias, da ANS (Agência Nacional de Saúde), da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das sociedades médicas, em especial da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (ESHRE), e da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana), vislumbramos o seguinte cenário:

1) No momento não existem evidências dos riscos do COVID-19 para as grávidas e os fetos, seus embriões, para os óvulos ou espermatozoides; no entanto, ainda não temos comprovações da ausência de riscos;

2) Entendemos que, neste momento, nossa atitude e zelo pela saúde humana vai além dos tratamentos da medicina reprodutiva. Consideramos que atitudes drásticas, mesmo que afetem a individualidade, devem ser tomadas para o bem comum.

3) A possibilidade de reduzir a velocidade com que o vírus se alastra está em nossas mãos. Seguir exatamente o que é orientado pelas autoridades de saúde é nosso dever como cidadãos.

4) Além dos cuidados com a saúde e higiene, o distanciamento social hoje se faz necessário como uma medida importante de prevenção.

Com isso, entendendo a seriedade da situação em nossa sociedade e zelando sempre pelo bem-estar e saúde de nossos colaboradores e pacientes e da sociedade como um todo, cancelaremos todos os tratamentos de reprodução assistida que se iniciariam nos próximos dias.

Conforme orientação das Sociedades Médicas, aos tratamentos de reprodução assistida já em andamento daremos continuidade, postergando apenas o momento da transferência por meio do congelamento de óvulos e embriões.

Nos casos de pacientes que precisarem de acompanhamento médico, mas que não estiverem em tratamento de reprodução assistida, faremos o acompanhamento e daremos todo o suporte necessário por meios digitais disponibilizados por nós e nos prepararemos JUNTOS para, assim que possível, reiniciarmos com força total!!!

Para aquelas que desejam iniciar o tratamento, recomendamos que aguardem o período de distanciamento social.

Pelo bem maior, sejamos todos responsáveis!

Agende sua consulta

Doação de Embriões

A doação de embriões, assim como a doação de óvulos e espermatozoides, é uma técnica de reprodução assistida regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e tem o objetivo de possibilitar a gravidez para casais que não conseguem da forma natural. Nesses casos, geralmente, tanto o homem como a mulher possuem dificuldades reprodutivas e não conseguem utilizar seus gametas para a fecundação.

A doação de embriões é feita quando, em uma técnica de fertilização in vitro (FIV), sobram embriões viáveis, de boa qualidade, e o casal decide doá-los para ajudar outras pessoas a terem um filho.

A doação de embriões tem se tornado uma prática cada vez mais frequente. Por isso, o CFM estabelece normas para a doação não só de embriões, como de sêmen e de óvulos.

  • A doação não poderá ter caráter lucrativo ou comercial;
  • Os doadores não devem conhecer a identidade dos receptores e vice-versa;
  • Será mantido, obrigatoriamente, o sigilo sobre a identidade dos doadores de gametas e embriões, bem como dos receptores. Em situações especiais, informações sobre os doadores, por motivação médica, podem ser fornecidas exclusivamente para médicos, resguardando-se a identidade civil do(a) doador(a).

Indicações da doação de embriões

Em alguns casos, tanto o homem como a mulher têm diagnóstico de infertilidade, devido, principalmente, à baixa qualidade e quantidade de óvulos e espermatozoides, que pode ser resultado de algumas condições, como:

No homem:

Na mulher:

  • Não ovulação por alguma razão: menopausa precoce ou tratamentos que impeçam a ovulação.
  • Falhas de tratamentos anteriores.

O procedimento de doação de embriões

A FIV é uma técnica que tem sido cada vez mais procurada por casais sem as condições reprodutivas para gerar um filho. Às vezes são fatores masculinos e às vezes são fatores femininos que impedem que o casal atinja esse objetivo.

Depois de passarem por todo o processo de FIV (para saber mais detalhes da técnica, acesse FIV), os parceiros precisam decidir o que fazer com o material fertilizado e não utilizado.

Às vezes, rapidamente o casal consegue a gravidez, restando embriões de qualidade. Uma opção é criopreservar o material para uma futura gravidez e outra é doar os embriões para outros casais.

Se o casal optar pela doação, de qualquer forma, os embriões são analisados para verificar sua viabilidade. Caso sejam viáveis, são disponibilizados para doação.

Assim, um casal com diagnóstico de infertilidade pode procurar uma clínica que ofereça esse procedimento para conseguir a gravidez. A mulher realiza o preparo do endométrio e recebe o embrião, que será gerado por ela naturalmente.

Compartilhar:
Última postagem do blog

Hormônio antimülleriano: o que é e quando realizar o teste?

O hormônio antimülleriano é um marcador da reserva ovariana, usado para estimar a resposta ovariana da paciente e predizer sua fertilidade. A reserva ovariana é a quantidade de óvulos que a mulher tem para liberar durante os ciclos menstruais, portanto […]

Leia mais
Agende sua
consulta

Verifique o horário disponível que melhor encaixa na sua agenda.